Glúten: Mocinho ou vilão?

O glúten é uma proteína encontrada naturalmente nos cereais como trigo, centeio e cevada, porém, foi colocado no posto do vilão que ameaça a saúde. Muitas pessoas, inclusive celebridades vem atribuindo sua silhueta esbelta à dieta sem glúten e enquanto isso, alguns especialistas no assunto tentam provar que a proteína não faz bem à saúde e está fortemente ligada ao aumento de casos de doenças, como as doenças cardíacas e o Alzheimer. Porém, grande parte do que se fala sobre a proteína, até o momento, é especulação.

Ele tem algumas condições que o desfavorecem, como por exemplo, estar presente em diversos alimentos ricos em carboidratos e com alto índice glicêmico, como pão branco, arroz branco, massa de pizza e biscoitos, que podem causar aumento de peso e elevar o risco de desenvolver diabetes, se consumidos em excesso. Porém, essas consequências não são desencadeadas pelo glúten em si, e sim pelo carboidrato e pela quantidade que ingerimos desse carboidrato. Logo, não adianta eliminar o glúten da dieta e continuar consumindo alimentos como arroz branco, batata e pão branco.

Se uma pessoa está acima do peso, não é porque consome glúten. E, se reduz o peso com a dieta sem glúten, não é pela ausência dele, e sim pela redução do consumo de carboidratos em geral.

O glúten realmente pode ser prejudicial ao organismo mas somente para as pessoas que sofrem de uma doença autoimune chamada doença celíaca. Quando um celíaco consome glúten, seu sistema imunológico reconhece a proteína como um inimigo e reage contra ela. Esse ataque atinge o intestino delgado e prejudica a absorção dos nutrientes, causando diarreia crônica, náuseas, vômitos e vários outros sintomas. Há, ainda, pessoas que não sofrem de doença celíaca, mas que têm um certo grau de intolerância ao glúten. Elas sentem algum tipo de desconforto quando consomem a proteína (diarreia e gases são sintomas comuns), mas não têm o intestino danificado e não sofrem de uma doença crônica. Mas, para o restante da população, ainda não está provado que comer um prato de macarrão prejudique a saúde.

Do ponto de vista da nutrição, não há problema em reduzir o consumo de glúten da dieta, desde que haja algum tipo de orientação para tal feito. É possível até que, esse hábito melhore a qualidade da alimentação para algumas pessoas, uma vez que o indivíduo pode substituí-lo por opções saudáveis como frutas, verduras e legumes. Porque se uma pessoa consome grande quantidade de alimentos com glúten, talvez esteja deixando de lado alguns outros alimentos com melhor qualidade nutricional. Entretanto, se variar a dieta, mesmo consumindo alimentos com glúten, todas as necessidades do organismo serão supridas.

É importante lembrar que, antes de retirar totalmente os alimentos com glúten da dieta, é preciso ter um diagnóstico médico sobre a presença ou não de doença celíaca!

Thais Capucho Antonelli
Nutricionista Graduada pelo Centro Universitário São Camilo em Dezembro de 2007. Pós-graduada em Nutrição Clínica pela Universidade Gama Filho em Junho de 2010.
Registro no Conselho Regional de Nutricionistas – CRN 3 – 23598.
Contato: email: thanutri86@uol.com.br
Marque sua consulta pelo telefone: Medprimus clínica 11 3262 5564